Progresso Interdisciplinar da Medicina
Interdisciplinary Progress of Medicine

Jorge Correia-Pinto - Autor Correspondente

Conteúdo do Artigo Principal

Resumo

Portugal é muitas vezes citado como um bom exemplo na prestação de cuidados de saúde. Para tal concorreram a investigação (engenharia) biomédica, a evolução técnica e a diferenciação clínica de diferentes especialidades. Para que esta evolução se transfira para o paciente com o seu máximo potencial, o diálogo e a interdisciplinaridade são imprescindíveis.


Nesta Edição da Gazeta Médica, vários artigos trazem até ao leitor alguns exemplos desta evolução e interdisciplinaridade, que continua todos os dias nos nossos hospitais. Assim não podemos deixar de salientar o enorme progresso que houve no desenvolvimento de antimicrobianos e logicamente, o desafio que agora enfrentamos, o da resistência aos antibióticos. Por outro lado, a biologia molecular ao permitir-nos conhecer melhor a origem e fisiopatologia de inúmeras doenças, abriu um janela de oportunidade para individualizar o algoritmo clínico de orientação e tratamento clínicos. É com naturalidade, portanto, que a seguir encontramos vários artigos que relatam estratégias de individualização terapêutica, aumentando o efeito terapêutico, e minimizando os efeitos laterais.


Sendo o relator deste editorial, um cirurgião, não posso deixar de dar enfoque à forma como a cirurgia minimamente invasiva tem revolucionado a intervenção cirúrgica. A história reporta-nos que foram os urologistas e os ginecologistas os pioneiros em muitos dos passos determinantes para chegarmos à cirurgia laparoscópica. Aqueles e os cirurgiões digestivos documentaram clinicamente que o desenvolvimento da cirurgia minimamente invasiva trouxe consigo várias vantagens que, resumidamente, resultam numa convalescença pós-operatória mais suave e mais curta. Inspirado pelos benefícios bem documentados de cirurgia minimamente invasiva em adultos e crianças, o século XXI começou com as primeiras tentativas de transportar as vantagens desta abordagem para recém-nascidos, tal como reportado neste número da Gazeta Médica, com a descrição de um caso de atresia duodenal corrigida de forma minimamente invasiva no período neonatal.


Para o futuro, temos apenas uma certeza, que a evolução dos cuidados médicos continuará com o contributo de todas as ciências, daí o meu convite para o leitor consultar o artigo de revisão sobre a Engenharia e Medicina.

Detalhes do Artigo

Como Citar
Correia-Pinto, J. (2018). Progresso Interdisciplinar da Medicina. Gazeta Médica, 3(2). https://doi.org/10.29315/gm.v3i2.109
Secção
EDITORIAL