Preferências dos Alunos do 6º ano de Mestrado Integrado de Medicina Sobre Trabalho no Setor Público ou Privado
6th Year Medical Students Preferences about Working in Public or Private Health Sector

Rafael Simões Neves - Autor Correspondente
Luís Costa Matos

Conteúdo do Artigo Principal

Resumo

INTRODUÇÃO: Os hospitais privados aumentaram de 89 em 2009 para 107 em 2013, as camas disponíveis aumen-taram de 7803 para 10 500 durante esse período de tempo. Houve também um aumento de 33% no número de médicos especialistas no setor privado entre 2001 e 2009, refletindo o aumento real desse serviço no nosso país. Estarão os futuros médicos dispostos a trabalhar e a aderir a essa área de trabalho? Os objetivos do estudo foram identificar a preferência dos alunos que estão a concluir o curso de Medicina da Facul-dade de Ciências da Saúde, pelo Serviço Nacional de Saúde ou pelo serviço privado, como futura área de trabalho.
MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal, realizado em três momentos, em cada ano, 2016, 2017 e 2018, e foi aplicado o mesmo questionário aos estudantes do 6º ano de Medicina da Faculdade de Ciências da Saúde, constituindo a nossa população de estudo. Os resultados obtidos foram tratados como estatística descritiva, estabelecendo-se algumas relações através do SPSS, versão 23.0 para Windows.
RESULTADOS: A preferência dos futuros médicos recai na opção de trabalhar em ambos os setores de saúde, sendo selecionada por 77,3%, 90% e 75,6%, respetivamente, nos três anos do estudo. Foram encontrados os parâmetros que justificam a opção por trabalhar no serviço público ou no serviço privado. Mais de 80% manifestam-se contra a aprovação do regime de exclusividade. O coeficiente de contingência tomou o valor de 0,14; 0,289 e 0,123, para as variáveis em estudo. Os estudantes notam uma posição de pouca satisfação por parte da população face ao atual serviço púbico, sendo sempre o número 3 (de 0 a 5) o mais selecionado, seguido do número 2.
CONCLUSÃO: Existe uma preferência por trabalhar em ambos os setores de saúde, posição esta mantida ao longo dos três anos em que o estudo decorreu, rejeitando os estudantes a aprovação de um regime de exclusividade. Não existe forte associação entre trabalhar no serviço público ou em ambos os setores com as variáveis analisadas.

Palavras-chave: Estudantes de Medicina; Portugal; Serviço Nacional de Saúde, Setor Privado; Setor Público

Detalhes do Artigo

Como Citar
Neves, R., & Matos, L. (2018). Preferências dos Alunos do 6º ano de Mestrado Integrado de Medicina Sobre Trabalho no Setor Público ou Privado. Gazeta Médica, 5(1), 13-21. https://doi.org/10.29315/gm.v5i1.136
Secção
ARTIGO ORIGINAL