Estatuto do Embrião Humano: Uma Visão Humanista
Value of the Human Embrio Status: An Humanistic View

Sandra Paço - Autor Correspondente
Sérgio Deodato

Conteúdo do Artigo Principal

Resumo

Na atribuição de um estatuto ao embrião surgem díspares visões, podendo levar à tomada de posições diametralmente opostas em questões como abortamento, procriação medicamente assistida, diagnóstico genético pré-natal, uso de células estaminais e clonagem. Ocorrendo o desenvolvimento do ser humano num processo gradual, estas questões colocam dilemas éticos, que na sua essência têm a mesma origem, ou seja, o estatuto que se atribui ao embrião.
Abordaremos, assim, esta temática através de diversas fontes, com diferentes perspetivas (biológica, ética e legal), tendo como foco de análise o estatuto atribuído ao embrião humano. Este estudo analisa alguns autores da bioética, sobretudo os de inspiração humanística e personalista, complementando-se esta perspetiva com a análise de alguns pareceres do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, de acordo com os valores da José de Mello Saúde.
Na dimensão jurídica, analisam-se os principais normativos relacionados com a vida intrauterina, assim como alguns autores desta área. Pretendemos desta forma contribuir para o aprofundamento da reflexão ética no domínio do início da vida, nomeadamente as questões éticas e jurídicas relacionadas com o estatuto do embrião humano.

Palavras-chave: Início da Vida Humana; Investigação com Embriões; Obrigações Morais; Pessoalidade; Regulamentação Governamental; Valor da Vida

Detalhes do Artigo

Como Citar
Paço, S., & Deodato, S. (2017). Estatuto do Embrião Humano: Uma Visão Humanista. Gazeta Médica, 3(4). https://doi.org/10.29315/gm.v3i4.43
Secção
ARTIGO DE PERSPETIVA